segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Frequência urinária aumentada e risco de morte.

Trabalho científico escandinavo (clique aqui para ver) informa que a curto prazo, homens idosos e de meia idade que urinam muito à noite e com intervalos curtos de 2 horas durante o dia, têm um risco maior de morrer a curto prazo.
O trabalho informa que além do ritmo urinário aumentado causado por problemas na próstata, homens nessa faixa etária costumam apresentar outras doenças que impactam na sobrevida.

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Aproximadamente 50% das mulheres acima dos 50 anos, refere ter perda de urina.

Um estudo acaba de divulgar que a perda de urina em mulheres acima dos cinquenta anos, é frequente. Observou-se em 2/3 dessas pacientes, que apenas 38% delas realizava exercícios para fortalecer a musculatura que sustenta a bexiga e o canal da urina.
As causas mais comuns que desencadeiam as perdas são espirro, risadas, tosses, ter que ir rápido ao banheiro e atividade física.
Clique aqui e leia a matéria publicada pela National Poll on Healthy Aging report.

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

NOVEMBRO AZUL! Prevenção do câncer de próstata.

Novembro é o mês de se fazer a campanha do câncer de próstata e você, homem, deve avaliar se já não é o caso de procurar um urologista, para fazer os exames preventivos que podem diagnosticar um câncer na próstata, que está lá quieto, silencioso.

Como já foi comentado neste blog em postagens anteriores, o homem gay por na maioria dos casos ter vários parceiros sexuais, e portanto mais exposto às Doenças Sexualmente Transmissíveis, está mais sujeito a apresentar um câncer na próstata.

Quem deve procurar um urologista?

1) Homens afrodescendentes acima dos 45 anos, já que nesse grupo a incidência da doença é mais frequente.

2) Homens acima dos 45 anos com histórico de câncer de próstata na família (pai, avô, irmãos, tios). Homens obesos, uma vez que a obesidade aumenta o risco para se ter câncer na próstata.

3) Homens sem antecedentes familiares e que não participam das situações citadas acima, após os 50 anos.

O que será feito?

Primeiro o urologista irá conversar com você, objetivando colher dados que possam já fazê-lo suspeitar da possibilidade do câncer estar presente. Irá perguntar sobre os seus hábitos de micção, avaliar a qualidade do jato de urina que você apresenta ao urinar e tentar descobrir algum antecedente de doença urológica.

Depois o urologista fará o exame físico e é nesse momento que ocorrerá o exame de próstata, através do toque retal, com a introdução do dedo pelo ânus.

E por último ele avaliará, e provavelmente solicitará, exames complementares: ultrassonografias, exames de sangue (PSA- Prostatic Specific Antigen), de urina e eventualmente uma Ressonância Magnética da próstata.



Ao final da consulta, nós urologistas na maioria das vezes já temos noção se é um caso suspeito, ou não, de câncer na próstata. Mas serão os exames complementares que permitirão nos orientar sobre o diagnóstico final. Então, não deixe de retornar em consulta com os exames, mesmo que você considere que os resultados foram normais (hoje em dia a maioria dos pacientes tem acesso aos resultados dos exames antes mesmo dos médicos).

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Tabagismo e impotência sexual: você sabia?

Embora haja consciência entre os homens que fumar é um risco para câncer de pulmão, enfisema e problemas de coração, um estudo mostrou que apenas um entre sete homens sabe que o hábito de fumar pode levar à impotência sexual. 
Especialistas acreditam que uma maior divulgação sobre os riscos do tabagismo levar à impotência sexual, possa levar homens a não iniciar ou a largar o vício. Clique aqui e leia matéria divulgada pela MedPage Today.

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Pacientes com psoríase tendem a apresentar mais disfunção sexual.

Levantamento recente com pessoas portadoras de psoríase, mostrou que há um risco maior para que eles se queixem de disfunção sexual, sendo a impotência sexual uma delas. Um dos fatores que aumenta o risco para que isso ocorra, é a presença de lesões de psoríase na região genital. Mulheres costumam responder melhor aos tratamentos que podem devolver qualidade para a vida sexual. Clique aqui e leia matéria divulgada pela Med Page Today.

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Obesidade pode aumentar o risco de incontinência urinária na mulher jovem.

Estudo mostra que mulheres jovens e de meia idade que se apresentam com peso acima do normal, tendem a sofrer mais do quadro de incontinência urinária. A obesidade dobra o risco do aparecimento desse tipo de problema em mulheres acima do peso, quando comparadas com mulheres com pesos dentro dos limites de normalidade. Esses dados são importantes para que se fique alerta ao peso das mulheres, principalmente se começam a apresentar queixas de controle da urina. Clique aqui e leia a matéria publicada pela Reuters.

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Falta de sal no corpo favorece à formação de pedras nos rins.

A falta de sal no corpo, condição médica denominada de hiponatremia, favorece à formação de cálculos (pedras) nos rins. Baixos níveis de sal na corrente sanguínea faz o corpo eliminar mais cálcio pela urina, mas a verdadeira causa para um maior risco de formação de cálculos renais é desconhecida.
A queda do sal no organismo também favorece às situações de osteopenia e fraturas ósseas. Condições que favorecem à hiponatremia são: ingesta errada de líquidos (seja muito ou pouco), diarreia e vômitos frequentes, doenças endocrinológicas que levam à produção inadequada do hormônio que regula a diurese (termo para produção de urina pelos rins) com a Doença de Addison, doenças renais, do fígado e insuficiência cardíaca são alguns exemplos. Leia a matéria completa sobre o assunto, clicando aqui.

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

PSA: uma ferramenta muito importante.

Novos estudos vêm mais uma vez comprovar a eficácia do exame de sangue PSA, em diminuir o risco de morte do homem por câncer de próstata. É muito importante que homens, principalmente os acima de 55 anos, façam anualmente a coleta de sangue para a dosagem do PSA. Além de diminuir também o risco de morte por complicações que o câncer de próstata causa. Clique aqui e leia o que o que foi publicado on line no Urology.